Dança

O dia se iniciou com uma roda de conversa informal, quando os jovens trouxeram todo o repertório deles de dança, demonstrações de movimentos e coreografias conhecidas por suas comunidades. Em seguida, por meio de vídeos, a oficineira Barbara Buck fez um histórico da dança no mundo ao trazer variados estilos, como o Ballet Clássico, o Jazz, o Sapateado, o Flamenco, o Butô, a dança contemporâneo, entre outros. O objetivo era mostrar como o corpo pode ser trabalhado em todos os planos (baixo, médio e alto), em todas as direções e intensidades (força, suavidades, movimentos pontuais e fluídos) e em toda a sua plenitude, utilizando-se de técnicas e desafiando a gravidade.  Durante todo este processo foram praticados passos básicos de diversas danças por meio da imitação e de técnicas trazidas pela oficineira. Após exercícios de ritmos e compassos, a oficineira explorou algumas danças brasileiras como a Capoeira, o Frevo, a Congada e a Chula Gaúcha e abordou os diálogos que existem entre elas e as danças caiçaras com o intuito de trabalhar a identidade dos jovens. Também houve uma pausa para “escuta” do corpo com o intuito de conhecê-lo melhor e compreender a importância de cuidá-lo.