Jovens de Ubatuba participam de Conferência Livre da Juventude e Meio Ambiente

conferencia livre juventude
Cerca de 25 jovens participaram no último domingo (22) da Conferência Livre da Juventude e Meio Ambiente, realizada na Escola Estadual Deolindo de Oliveira Santos, em Ubatuba. A reunião contou com a presença da consultora do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Camila Mello, que vem realizando consultas públicas a fim de levantar as propostas dos jovens brasileiros para o Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente.

“A juventude declara muito a necessidade de lidar com os resíduos sólidos. A questão do saneamento é sempre presente”, conta Mello. Em Ubatuba não foi diferente. Mas o que chamou a atenção da consultora do MMA foi que os jovens daqui entendem a importância do turismo para o município, e se preocupam com a degradação dos principais recursos de Ubatuba, que são as praias e a natureza. “A minha visão é que Ubatuba vive um modelo insustentável de turismo”, opina Mello, defendendo projetos de turismo de base comunitária. Ela afirma que outro assunto recorrente nas conferências com os jovens é a mídia. “A juventude não se vê na mídia tradicional”, analisa.

Durante a Conferência, os jovens enumeraram propostas, que foram apresentadas a todos os presentes, discutidas e afixadas na parede. Agora, as constribuições da juventude local serão sistematizadas e encaminhadas para os Ministérios da Educação (MEC), Meio Ambiente e Secretaria Nacional da Juventude (SNJ).

“As comunidades tradicionais e suas necessidades, como elementos de preservação cultural, também vieram à tona”, destacou a Assessora Técnica do projeto Nossa Cara: Juventude Caá.içara, Fabiana Carvalhal. Boa parte dos presentes na Conferência participam desse projeto da ONG Gaiato, que busca desenvolver jovens lideranças comunitárias. Adolescentes de outros projetos como Tamar, Namaskar e Cia dos Menestréis também compareceram ao encontro.

Quando o assunto é meio ambiente, André Vitor, de 15 anos, do bairro Sesmaria, disse ao InforMar que  considera o tratamento de esgoto a principal questão na qual Ubatuba precisa avançar, seguida pela correta destinação e tratamento dos resíduos sólidos. O jovem Benevaldo, 19 anos, do quilombo da Fazenda, região norte de Ubatuba, também defendeu a importância do saneamento básico, além da necessidade de melhorias na Educação dos jovens.

A jovem Ingrid Ará Guarani, da aldeia Boa Vista, na região norte do município,  se disse feliz com a oportunidade de participar do evento e lembrou que jovens de outros povos de Ubatuba precisam conhecer melhor a cultura e os hábitos dos Guarani Mbya, que têm muito o que ensinar.

Ao InforMar, Ingrid disse estar preocupada com a PEC 215, Projeto de Emenda Constitucional que dá ao Congresso Nacional o poder de decidir sobre a demarcação de terras indígenas, de remanescentes de comunidades quilombolas e de criação de unidades de conservação ambiental (parques, reservas florestais e estações ecológicas). Assim, a responsabilidade passa a ser dos deputados federais e senadores, e não mais da União, como é hoje. Tal situação seria preocupante para os povos nativos, uma vez que empresas e pessoas interessadas em tomar e explorar economicamente terras indígenas, como mineradoras e grandes ruralistas, financiam e elegem muitos deputados para defender seus interesses no Congresso Nacional.

Veja matéria publicada no site InformarUbatuba clicando AQUI